Indústria

Você

Acessar

Notícias

FIEMA 17/05/2017 - 10:06hs

FIEMA recebeu comitiva da República da Coreia do Sul

Federação das Indústrias do Estado do Maranhão foi primeiro destino do roteiro dos sul-coreanos

Coordenadoria de Comunicação e Eventos

Veruska Oliveira-COCEV FIEMA
Imagem ampliada Embaixador falou de possíveis parcerias entre a Coreia do Sul e Maranhão

SÃO LUÍS - O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão, José de Ribamar Barbosa Belo, representou o presidente Edilson Baldez das Neves na tarde da última terça-feira (16/05), durante a visita do Embaixador da República da Coreia do Sul, Jeong Gwan Lee, que estava acompanhado da primeira secretária em Assuntos Econômicos, Sewon Kim e da pesquisadora Senior, Regina Jeong.

O objetivo da visita da comitiva sul-coreana foi conhecer as potencialidades do Estado do Maranhão e verificar os setores para possíveis parcerias e investimentos coreanos e futuras prospecções. Um dos interesses destacados pelos coreanos durante a reunião foi a cooperação na área de energia renovável, infraestrutura, minérios e logística.  

Pelo Sistema FIEMA participaram da reunião, realizada na Casa da Indústria, o superintendente da FIEMA, Albertino Leal e a superintendente do SESI-MA, Roseli Ramos.A reunião contou também com a presença do presidente da PSIU e do Sindibebidas, Francisco Rocha, do Relações Institucionais da VALE, Dorgival Perreira, de Fabiano Figueiredo, da W Torres, Viviane Meister, da  CEMAR, Marcos Cardoso, da ALUMAR, do Secretário de Programas Especiais do Governo do Estado, Pierre Januário, Leuzinete Silva, da Vice governadoria, além de Aureliana Luz e Marlon Aguiar, da SESCOOP/MA.

Veruska Oliveira-COCEV FIEMA
Imagem ampliada Reunião contou com a presença de diversos empresários industriais e representantes da FIEMA e SESI

No encontro, o embaixador reforçou a possibilidade de parcerias e destacou que a vinda ao Maranhão faz parte de um projeto da Embaixada. “Essa é a nossa primeira visita ao Maranhão. Temos interesse na infraestrutura, principalmente na ferroviária, o minério e a energia. Esperamos que essa primeira conversa possa não ficar apenas aqui nesta sala, mas que possa de fato render parcerias. Existe uma intenção já bem adiantada de um acordo comercial com os países do Mercosul, incluindo o Brasil, o que facilitará ainda mais as relações comerciais entre os dois países”, destacou o embaixador Lee, que agradeceu a recepção recebida dos empresários industriais maranhenses.

Para o vice-presidente da FIEMA, José de Ribamar Belo, o encontro foi motivo de alegria e com perspectivas de futuras parcerias. “Ficamos muito felizes em receber a comitiva sul-coreana que é hoje uma das grandes potencias mundiais. Esperamos que essa reunião possa gerir parcerias importantes. A FIEMA estará sempre de portas abertas em prol do desenvolvimento do Estado”, destacou Belo.

Vale ressaltar que a economia sul-coreana tem crescido rapidamente desde a década de 1950. Hoje é a 13ª maior economia do mundo (por PIB PPA) e está classificada como de um dos países mais desenvolvidos do mundo pela Nações Unidas, pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Veruska Oliveira-COCEV FIEMA
Imagem ampliada Comitiva sul-coreana juntamente com representantes da FIEMA e empresários em visita ao Maranhão

 O país integra o bloco econômico dos Tigres Asiáticos, e apresenta um grande desenvolvimento econômico, fruto da política democrática estabelecida no fim da década de 1980, investindo maciçamente no sistema educacional, promovendo a industrialização nacional. Hoje, a Coreia do Sul se encontra entre os países mais avançados tecnologicamente e um dos melhores em comunicações; é um dos líderes globais na produção de aparelhos eletrônicos, como dispositivos semicondutores e telefones celulares.

Veruska Oliveira-COCEV FIEMA
Imagem ampliada O vice-presidente da FIEMA, Zeca Belo com o embaixador Jeong Lee, da Coreia do Sul

 O Maranhão em 2016, exportou para a Coreia do Sul, segundo o Ministério da Indústria e Comércio,  US$ Fob 10.986.993,00  (algo em torno de 40 milhões de reais) em produtos como algodão, soja, milho, adubo, fertilizantes e celulose.

1459 notícias | Mostrando de 1 a 6